Guarda Municipal, Polícia Militar e a Diretoria de Trânsito de Umuarama (Umutrans) realizaram na tarde da quarta-feira, 16, mais uma ação do Maio Amarelo, uma campanha de educação do trânsito com a finalidade de provocar reflexões para uma mudança de comportamento e redução do número de acidentes, muitos dos quais resultam em feridos e vítimas fatais. Uma blitz de fiscalização de documentos dos motoristas e das condições gerais e documentação dos veículos, foi realizada na Avenida Tiradentes, próximo ao campus 3 da Universidade Paranaense (Unipar).

O número elevado de acidentes, com muitos feridos, sequelados e mortos, motiva a campanha anual do Maio Amarelo. “Esta é infelizmente uma realidade que não podemos deixar de lado. O Brasil é um dos líderes mundiais em vítimas do trânsito e em Umuarama, apenas neste ano, já passa de 12 o número pessoas que perderam a vida nas nossas ruas e avenidas”, disse a diretora da Umutrans, Dianês Piffer.

Com o tema “Nós somos o trânsito”, a campanha convida a sociedade para uma mudança de atitude e comportamento no trânsito, numa visão que respeite mais a vida humana, “afinal em algum momento todos nós somos pedestres”, acrescentou, lembrando o enorme prejuízo humano e financeiro que os acidentes causam ao sistema público de saúde e às famílias.

Dentro desta proposta, Umuarama tem aplicado medidas para reduzir os trágicos números, como a criação do Plano Municipal de Mobilidade Urbana, a modernização do sistema semafórico, instalação de câmeras de monitoramento e agora a implantação de fiscalização eletrônica de avanço do sinal vermelho e parada na faixa de pedestre, que começa a funcionar em quatro semáforos na próxima sexta-feira. “A Escola do Trânsito também está voltando à atividade com uma extensa programação, para que no futuro tenhamos motoristas mais conscientes”, acrescentou Dianês.

As medidas são necessárias devido ao crescimento da frota, que saltou de 53.250 veículos automotores em 2010 para 81.809 automóveis, motos e caminhões neste ano. O número de vítimas do trânsito cresce na mesma proporção, infelizmente. Em 2014, 17 pessoas perderam a vida nas ruas e avenidas da cidade, no ano passado foram 20 e em 2018, de janeiro a março foram 12 mortes.