A Secretaria de Fazenda de Umuarama, por meio da Diretoria e Arrecadação e Fiscalização e fiscais do Código de Posturas, reuniu donos de carrinhos e profissionais do setor de lanches para um treinamento sobre técnicas de manipulação saudável e segura na produção dos diversos tipos de alimentos servidos pelos ambulantes nas ruas da cidade. A orientação é resultado da parceria entre o município e a Universidade Estadual de Maringá (UEM), através dos cursos voltados à área de alimentação, para a construção de um ambiente saudável, seguro e viável para o setor.

Uma equipe liderada pela coordenadora do campus, professora Juliana Scanavaca, visitou 22 carrinhos de lanches e traçou o diagnóstico da situação, apontando as qualidades e também o que precisa melhorar. “Avaliamos desde as condições físicas e estruturais dos carrinhos e trailers, até o transporte e armazenamento de alimentos, manipulação e utilização de água. Com os resultados, preparamos uma capacitação a fim de orientá-los sobre como solucionar os problemas e melhorar a qualidade dos lanches servidos à população”, disse a professora.

Por orientação do prefeito Celso Pozzobom, a Secretaria da Fazenda – em conjunto com a Covisa (Coordenadoria de Vigilância em Saúde), da Secretaria de Saúde de Umuarama – está reunindo os donos de carrinhos de lanche e profissionais do setor para delinear uma parceria pela organização, qualidade dos produtos e segurança na manipulação. A diretora de Arrecadação e Fiscalização, Gislaine Alves Vieira, estima que a cidade conta com 35 carrinhos que oferecem variados tipos de lanches, distribuídos pelo centro e bairros da cidade.

Segundo o prefeito, a ideia é apoiar os ambulantes para fidelizar a clientela e conquistar mais consumidores. “Estamos discutindo o que fazer para ajudá-los, pois o serviço é importante. Nossa equipe buscou experiências de sucesso em outras cidades e queremos padronizar os procedimentos, aumentar a qualidade e fazer o setor se desenvolver, beneficiando a todos”, disse Pozzobom. Uma das formas é qualificar a produção dos lanches, eliminando problemas de manipulação e conservação dos alimentos.

O município estuda criar vagas fixas no centro, com horários delimitados, de uso exclusivo para os carrinhos de lanche, com pontos de água e energia elétrica. “Mas para isso é importante que todos estejam regularizados, com alvará e toda a documentação em dia”, disse o secretário municipal da Fazenda, Marcos Navarro.

 

Fonte: Secom / PMU

Fotos: José Anselmo / PMU