Ao Vivo
 
 
Siga ao vivo

Geral

Pais são condenados a 28 anos de prisão pela morte da filha de 4 anos em Rolândia

Pais são condenados a 28 anos de prisão pela morte da filha de 4 anos em Rolândia

O Júri Popular do assassinato da pequena Maria Clara, de 4 anos, morta por asfixia e que teve o corpo descartado em um terreno baldio em Rolândia, condenou os pais da criança, Thais Dayane Moises Cavalcanti e Edson Bercamasque, a mais de 28 anos de prisão cada um. A sentença do julgamento que ocorreu na Comarca de Rolândia, foi proferida no fim da tarde, . A Justiça considerou o alto grau de culpabilidade dos réus, as quatro qualificadoras do crime (motivo fútil, emprego de asfixia, recurso que dificultou a defesa da vítima, feminicídio e ocultação de cadáver) e também o fato da conduta social deles não ser ‘favorável’, a pena para o crime de homicídio foi estabelecida em 20 anos;  O crime de faminício, levando em conta que a vítima era menor de 14 anos, ficou em seis anos e outo meses; A única diferença nas sentenças, foi referente ao crime de ocultação de cadáver, em que Bercamasque recebeu a pena de um ano e cinco meses, além de 13 dias multa e Thais, dois anos e 20 dias multa. Conforme o juiz, o pai recebeu um atenuante neste caso, pelo fato de ter confessado o crime, o que aconteceu com a mãe, que nega. Desta forma, a pena total ficou em 28 anos e um mês, mais 13 dias multa para Bercamasque, e 28 anos e oito meses, além de 20 dias multa para Thais. O casal que está preso desde 22 de janeiro de 2016 seguirá, de acordo com a Justiça, em regime fechado. Fatalidade O casal negou ter matado a menina com intenção. Eles voltaram a afirmar que “a morte da criança foi uma fatalidade”. Também reafirmaram que “a morte poderia ter sido causada por reação ao medicamento que ela ingeriu”. No entanto, o laudo do Instituto Médico Legal (IML) comprovou que a criança foi morta por asfixia. O pai confessou o crime de ocultação de cadáver e alegou que “a medida foi tomada para que não tivessem problemas com o Conselho Tutelar e não perdessem a guarda dos outros filhos”. O Conselho Tutelar fazia atendimentos a família, em ocasião anterior as crianças chegaram a ser abrigadas por conta da dependência química dos pais. O crime O corpo de Maria Clara foi encontrado em um terreno baldio no dia 4 de janeiro de 2016, no Jardim Montecarlo II, já em estado de decomposição. As investigações apontaram que a criança foi asfixiada. Os pais negaram o crime, afirmando que ela morreu após ter tomado um medicamento para dores no estômago. O laudo do IML apontou que a menina foi asfixiada.   Reportagem Massa News Com informações do Blog do Farina
Velório de Marco Aurélio Garcia deve ter presença de Lula

Velório de Marco Aurélio Garcia deve ter presença de Lula

O velório de Marco Aurélio Garcia, que ocorre na manhã desta sexta-feira, 21, na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), deve contar com a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que disse à família de Garcia que chegaria por volta das 12h. Garcia, que fez parte do grupo de intelectuais que ajudou a fundar o PT, foi assessor especial para assuntos internacionais nos governos de Lula e Dilma Rousseff, tendo sido um dos responsáveis pela elaboração e condução da política externa brasileira neste período, quando buscou dar maior protagonismo à América Latina. Não por acaso, um dos que enviaram coroas de flores em sua homenagem foi o presidente da Venezuela, Nicolas Maduro. O corpo de Garcia chegou à Alesp por voltou das 9h. Minutos depois, foram chegando os primeiros familiares e amigos. O filho único do intelectual, Leon, é quem tem feito a recepção. Gaúcho de Porto Alegre, ele era professor aposentado da Unicamp e morava em São Paulo. Ele vinha exercendo a função de conselheiro da Fundação Perseu Abramo, ligada ao PT. Faleceu ontem aos 76 anos, de ataque cardíaco fulminante.   Repercussão Logo após a confirmação da morte de Marco Aurélio, políticos manifestaram pesar. A ex-presidente Dilma divulgou nota (leia a íntegra mais abaixo) na qual se referiu à morte do "amigo querido" como "extremamente dolorosa". "Hoje é um dia de dor para todos nós, que compartilhamos com ele seus muitos sonhos, histórias e lutas. Era um amigo querido, de humor fino e contagiante, sempre generoso e cheio de ideias, dono de uma mente arguta e brilhante", afirmou. O ex-presidente Lula também divulgou nota, na qual disse que Marco Aurélio Garcia foi um intelectual "brilhante" e um militante "incansável" desde a juventude. O "professor", acrescentou, contribuiu muito para o Brasil (leia a íntegra da nota mais abaixo). "A credibilidade política e pessoal por ele alcançada permitiu que Marco Aurélio Garcia desempenhasse, em sintonia com o Itamaraty, relevante papel na construção e execução de uma nova política externa, ativa e altiva, soberana e fraterna, com um legado que é reconhecido internacionalmente e hoje faz falta para o Brasil", disse Lula. O PT, em nota assinada pela presidente do partido, senadora Gleisi Hoffmann, afirmou que Marco Aurélio Garcia destacou-se como um dos mais importantes "arquitetos" da integração latino-americana e da ampliação das relações do Brasil com países da África e dos Brics. "Ele contribuiu decisivamente para que o Brasil tivesse uma política externa ativa e altiva", diz trecho da nota. A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) disse no Facebook que Marco Aurélio Garcia foi "muito importante" para o governo Lula na condução da política externa, "uma época em que o Brasil era respeitado no cenário mundial". Também na rede social, o deputado Paulo Teixeira (SP), um dos vice-presidentes do PT, relembrou o "papel importante" de Marco Aurélio Garcia na formulação e na execução da política externa brasileira, que "sempre esteve ao lado da democracia e dos trabalhadores". Em entrevista em São Paulo, Márcio Macêdo, outro vice-presidente do PT, afirmou que o momento é de "dor" porque o partido perdeu "um companheiro e amigo de todos". Na mesma entrevista, o líder do PT na Câmara, Carlos Zarattini (SP),disse que a participação "forte" de Marco Aurélio Garcia no governo foi um dos fatores para o "sucesso" que o Brasil teve no exterior entre 2003 e 2015. No Twitter, o ex-governador do Rio Grande do Sul e ex-ministro Tarso Genro publicou: "Faleceu Marco Aurélio Garcia, amigo fraterno, grande quadro da esquerda e militante histórico do PT. Ser humano excepcional. Dor e luto." Vice-presidente do PT, o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha também comentou o assunto. Para ele, a esquerda perde "um dos seus maiores pensadores e incentivadores da solidariedade internacional". Fonte: Portal Terra Foto: Internet